Sem categoria

Tempos modernos

Uma vez perguntei pra minha tia o que era sexo. Do alto da sua sabedoria de 20 anos, ela me respondeu que isso era uma coisa que as pessoas faziam quando estavam apaixonadas e eram adultas, maduras, independentes, responsáveis e pagavam as próprias contas. Voltei a minha insignificância infantil e segui a vida, sem me preocupar com esses conceitos até ontem, quando vi o vídeo abaixo.

Tentei reavivar a minha memória e me lembrar da época das festinhas no recreio, qual foi o dia que dancei assim com alguém e não me lembrei. Aliás, não me lembrei de nada parecido senão o dia que eu meu marido viajamos pra Pirenópolis e… Deixa pra lá… O fato é que esses pivetes não devem ter mais de 15 anos e sim, estou chocada.

 

 

Desejo, curiosidade, vontade; tudo isso é normal. Lap dance na hora do recreio? Sorry, folks. Não pra mim…

Não me digam que a culpa disso é da televisão, dos BBB’s da vida, dos funks ou coisas desse tipo. Essas crianças não tem pais? Nessa escola não tem professores? Ninguém falou pra esses moleques que um ato sexual saudável significa prazer para ambas as partes? É moderno dizer que é amigo dos filhos pra quê? Para as mães trocarem roupas com as filhas ou os pais terem um ajudante pra arrumar o carro? Conversar não? Ensinar a se respeitar e cuidar do próprio corpo também não? Vejo um grande trabalho a ser feito. Apesar de toda a liberdade sexual que nós dizemos ter, ainda não temos coragem de abordar esse assunto na hora do jantar.

E o resultado tá aí, exposto na rede.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *